Uma triste conclusão

quinta-feira, 3 / maio / 2007 at 4:34 pm 10 comentários

Tenho que concordar com o Alex, quando ele diz isso.

Foi uma mocinha linda, sorriso luminoso, pai advogado, escola particular. Se ele tivesse matado e estuprado uma mocinha morena e pobre,de cabelo ruim, que estava saindo de um forró e indo pra um motel junto com o macho da vez, ninguém ia dar a mínima. Talvez o Notícias Populares.

E já demitiram o diretor e vinte funcionários. Ó, não podemos permitir corrupção no serviço público. Claro que não. Não mesmo. Nunca. Nunquinha.

Anúncios

Entry filed under: blogosfera.

Cochichando [Monocromatismo]

10 Comentários Add your own

  • 1. Marcos  |  quinta-feira, 3 / maio / 2007 às 8:21 pm

    Sem falar que a mocinha loura e de bom berço mentiu para os pais e foi encontrar-se às escondidas com o namorado. A família só soube para onde ela fora por conta dos amigos, preocupados com o sumiço e cúmplices da fuga dos pombinhos.

    Ah, Marcos. Ela mentiu, ela fugiu, ela pintou e bordou. Ela era uma menina de 16 anos que queria transar com o namorado. Dá uma lida nesse artigo do Alex Castro:[http://www.sobresites.com/alexcastro/artigos/pai.htm]
    Você acha realmente que o problema foi ela ter mentido pra família? Tudo bem, mentir é uma merda, uma coisa feia, mas realmente, esse não é o maior problema. Não é.

    Há tantos problemas. Porque o filho de uma pessoa que more na capital e tenha um pouco de educação, daria mostras desde cedo de problemas psicológicos e seria acompanhado por psicólogos. E porque um psicopatinha de 17 anos viu uma menina bonita e quis comer uma menina bonita, como as que ele viu na TV e nunca ia conseguir comer na vida dele. E porque a nossa socidade cria Champinhas, cria monstros, você criou e eu criei também, a cada vez que vemos um Champinha e rimos dele, ignoramos seu problema ou tratamos Psicanálise como coisa de perua de novela. Eu fiz o Champinha, e todo dia eu fico pensando que certamente não foi só um. FORAM VÁRIOS. Todo dia aparece um novo Champinha. E esses novos champinhas só vão ser presos se matarem uma mocinha linda filha de advogado. Se eles baterem na esposa, roubarem dinheiro da vó ou estuprarem a neguinha do forró, não vão pra porra de instituição educativa, nem pra cadeia, nem pra casa do caralho, nem pra lugar nenhum.

    E ESSE é o problema.Ufa.

    Marcos, nada pessoal contra você ou seu comentário. É que o mundo anda meio ruim.

    Responder
  • 2. Rodrigo Figueiredo  |  sexta-feira, 4 / maio / 2007 às 10:20 am

    Virar estatistica é isso ai!
    Eu agora tenhoi medo de virar uma!
    Pelo menos um motoqueiro por dia morre aqui em São Paulo!
    Até hoje não fui eu e nem pretendo ser…
    Obrigado pela visita! 😉

    Viramos todos números, é isso. Morreu mais um, morreu menos um. Como disse RIta Lee, “a morte não é mais do que mais um a menos. ”

    Estamos todos calejados, e somos tão jovens.

    Responder
  • 3. Marcos  |  sexta-feira, 4 / maio / 2007 às 3:03 pm

    É, acho que me expressei mal. O propósito de não me alongar no comentáriomes fez abordar um pequeno pedaço da história, apenas. Deixe-me tentar remediar.
    O que eu quis dizer, que a mocinha mentoiu para os pais, isso sempre acaba em merda, não tem jeito. Já fui adolescente e sei bem o que é a gente não querer ser recriminado por querer fazer algo que nossos pais desaprovam e, por isso, mentimos. A falta de diálogo nos leva a isso. Assim como estamos cercados de Champinhas, que, realmente, só ganhoufama porque suas vítimas são abastados cidadãos, estamos cercados de exemplos de garotos que colocam em perigo por não admitirem ser recriminados ou corrigidos pelos mais velhos.
    De maneira alguma coloco a culpa das mortes nas vítima, longe disso! Não é só a debilidade mental do criminoso também o único culpado. A coisa é muito mais ampla do que mostram as manchetes escandalosas.
    Tabalho com adolecentes e, diariamente, mostro a eles minha preocupação com seu futuro e como eles devem esforçar-se para não se tornarem Champinhas. Minha relação é franca e direta, o que me faz sentir o carinho e o respeito que têm por mim. Muito provavelmente por não terem essa relação com os pais.

    Tem razão, Marcos. Diálogo, carinho, verdade, quebrar tabus. Como é difícil.

    Responder
  • 4. Michelle  |  sexta-feira, 4 / maio / 2007 às 3:15 pm

    É isso, Eva!
    Sempre q posso, cutuco meus alunos para a relação existente entre crime, punição e situação econômica do delinquente.
    Num debate q fizemos sobre redução da maioridade penal, deixei q falassem à vontade. Ao fim e ao cabo, lógico, td mundo queria saber a opinião da “Professora” [pense numa pompa! E na responsabilidade, então, nem me fale!]. Seguinte: td recrudescimento d lei é um retrocesso. É a admissão desavergonhada da incompetência do Estado em prevenir, da sua recusa a investir em educação, geração d empregos, e outras medidas q venham efetivamente a esvaziar a motivação do crime. Incrível como o ECA prevê direitos básicos q não são respeitados, e ninguém chia. Cm Vc mencionou, nós criamos os champinhas. O povo só clama por redução da maioridade, aumento do tempo de reclusão, etc.
    Então, se for pura e simplesmente pra baixar cacete em pobre, voto não. Pq playboyzinho q mata índio não vai pra Febem, q dirá pra presídio. Pq, aqui na minha terra, um féla-da-puta d família com tradição na política empurrou a namorada do carro, fugiu pros Isteites e, cm era menor à época do fato, o prazo prescricional correu pela metade. Voltou, engravidou uma desavisada, casou, virou homem sério e se elegeu deputado. Blé! Eu odeio muito td isso!
    É certo q houve um aumento na criminalidade violenta praticada por jovens, em muito, devido ao aumento d uso d drogas cm o crack – o povo mata e morre por dívida d dez, quinze reais. Mas cadê a porra do Estado pra fazer uma política eficiente d prevenção às drogas? Cadê políticas públicas q promovam uma melhor qualidade d vida pressa criançada? Cadê as referências delas? Meter na cadeia é mais fácil – difícil é entender essa matemática absurda d superlotação d presídio, q deve receber, com a redução da maioridade penal, mais uns 15 mil moleques.

    É isso. Não preciso falar mais nada.

    Responder
  • 5. Vivien  |  sexta-feira, 4 / maio / 2007 às 5:21 pm

    Apoiadíssimo, Eva.
    Michelle, matou a pau, muito bom.

    Concordo.

    Responder
  • 6. Claudia Lyra  |  domingo, 6 / maio / 2007 às 12:17 am

    Ai, ai… a mesma hipocrisia que faz um “caça às bruxas” dentre os funcionários do abrigo, sob o argumento de que fuga de Champinha foi proposital, motiva a diminuição da maioridade penal. Ai, ai…

    Enquanto isso, os estupradores de mocinhas pobres estão andando por aí, comendo pastel com Coca-Cola.

    Responder
  • 7. Sammy  |  domingo, 6 / maio / 2007 às 1:57 pm

    Só queria deixar registrado aki que adoro seu blog, sempre que tenho um tempo livre dou uma passadinha aki.
    Parabens vc escreve mto bem
    Bjoka 🙂

    Ah, obrigada. Que bom que você comentou!

    Responder
  • 8. ana p.  |  segunda-feira, 7 / maio / 2007 às 10:09 pm

    Sabe, Eva… eu nem sei o que dizer. Pq as coisas que acontecem no nosso mundo são tão absurdas, tão hediondas e tão nojentas que o máximo que eu consigo pensar é em concordar com Raul:

    pare o mundo que eu quero descer.

    Eu só queria que fosse a exceção, não a regra.

    Responder
  • 9. neutron  |  terça-feira, 8 / maio / 2007 às 8:38 am

    Daí que eu li seu post e ele me fez lembrar de quando a coisa toda aconteceu: eu tava na 8ª série na época e recebi um email de uma amiga, dizendo que um Fulano não sei o quê era filho de uma amiga da mãe dela, e pedindo que a gente passasse o email pra todo mundo que conhcesse.

    Isso foi uns 3 dias antes de a história ir pro jornal.

    Eu acho que o problema todo é bem esse: tem milhões de champinhas matando todos os dias, mas só um foi pro jornal, só um foi xingado pela Hebe em rede nacional, só um foi realmente caçado quando fugiu…

    É isso. E pior é saber PORQUE foi só ele.

    Responder
  • 10. markinho  |  segunda-feira, 8 / junho / 2009 às 2:53 pm

    um lixo

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

Aspas da Semana

Quando o amor vos fizer sinal, segui-o; ainda que os seus caminhos sejam duros e escarpados. E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos; ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir. Gibran Khalil Gibran

%d blogueiros gostam disto: