Archive for outubro, 2006

Divirtam-se

Faz um pra ti! | View Slideshow

Por que eu amo o Teatro:

Pois só com ele eu posso me vestir de verde da cabeça aos pés, usar sapatilha de balé, rir muito durante o ensaio, pular que nem um sapo, fazer amigos, comer cachorro quente, ver crianças felizes, fazer papel de mãe, descobrir que a maquiagem não sai, andar de ônibus com a cara meio esverdeada, e me sentir mais viva no final.

Sem isso, eu sou só pela metade.

Sem isso, eu vivo no piloto automático.

Interpretar é minha cura, minha profilaxia, minha grande paixão, minha explosão interna.

Divirtam-se vendo as minhas fotos. Daqui, eu também me divirto revivendo.

Feliz dia das Crianças atrasado pra nós todos.

Anúncios

segunda-feira, 16 / outubro / 2006 at 12:43 am Deixe um comentário

O banqueiro dos pobres

Yunus, Nobel da Paz.

Quando vi na TV, fiz uma dancinha de vitória na sala de casa.

E-LE ME-RE-CE!!

*******

Na faculdade, estudei o livro dele, “O banqueiro dos pobres“.

É genial. É tocante. A descrição da Grande Fome, o relato da doença mental da mãe. As idéias simles que surgiam na Universidade, para aplicar nas fazendas da região. O banco que emprestava vinta dólares ou menos, sem exigir garantias. Sem juros escorchantes. Só para mulheres, num país machista. As mulheres mães de família, que SEMPRE pagavam o empréstimo. Os bancários que viajavam de bicicleta por Bangladesh.

Leiam, leiam, leiam, o livro dele. É um livro que me fez TER ESPERANÇA NO MUNDO. Eu sempre fui otimista, vivendo num mundo cor de rosa [porque eu ando pela vida com uma lata de tinta rosa na mão, e me esforço MUITO pra que o meu mundo fique dessa cor. Antes de criticar, conversa comigo que eu te explico melhor o que é o mundo rosa-prodígio. Já adianto que ele não é perfeito. ]. Mas depois de ler esse livro, eu vi que DÁ pra fazer diferente. DÁ. Ele fez. E foi simples, foi com esforço, com dificuldades… E foi lindo.

E GANHOU O NOBEL.

[Fazendo dancinha feliz]

sábado, 14 / outubro / 2006 at 10:48 pm Deixe um comentário

Menção honrosa

O Ual publicou, e eu concordei.

Aprende, Menina, aprende a libertar os outros.

Vocês que só me conhecem pela internet, não fazem idéia do quão possessiva, aprisionadora e MÁ eu posso ser. [E eu não gosto disso.]

Mas tenho um lado bom também. Ao menos minha mãe diz isso. 😀

***********

E por essa, ninguém esperava.

Niemeyer plagiou a ponte de Osaka!

sábado, 14 / outubro / 2006 at 9:55 pm Deixe um comentário

Coisa útil

Deixa eu explicar pra vocês. Tem o Projeto Uerê, no Complexo da Maré. As crianças da Maré tem aulas de informática, português, formação cidadã, essas coisas.

Na aula de informática, fizeram o blog do Uerê, pra familizarizar as crianças com as ferramentas, motivar a escrever, interagir com a web.

Então, Menina-Prodígio tá pedindo: comentem no blog. De preferência, comentem em TODOS os posts de TODAS as crianças. Comentários carinhosos, compreensivos, inteligentes, como só meus leitores sabem fazer.

Não preciso explicar por que. Comentem pra dar aquela força e aquele incentivo. Vão, vão.Digam de que cidade vocês são, eles vão achar divertido ficar pesquisando sobre o lugar.

quinta-feira, 12 / outubro / 2006 at 1:38 am Deixe um comentário

Nota que eu já comentei em algum lugar por aí

Eu, se fosse o Alckmin, morria de vergonha se as mesmas pessoas que votassem no Maluf e no Clodovil votassem em mim.

Sério: a pessoa não vota no Lula “por causa da roubalheira”. Certo…E aí vota no MALUF?

E eu decidi no finzinho: se todo mundo votasse no candidato que TINHA VONTADE DE VOTAR, não no que a pesquisa dizia que tinha mais chance, Cristóvam tinha ganho.

Todo mundo, mas TODO MUNDO que eu conheço dizia: “PSDB de novo não,PT foi uma decepção, mas o Cristóvam não tem a menor chance, TADINHO. ”

Se todo mundo votasse nele, ele teria chance, certo? [Não estamos debatendo se isso ia ser bom ou ruim!]

Então, eu votei em quem eu tive vontade. Perdi de cassetada, Cristóvam ficou com 2%.
Mas eleição não é copa do mundo – apesar de o brasileiro ainda ter muito esta visão, e fica assim parecendo que o segundo turno é tipo uma morte súbita. Eu vejo mesmo essa visão “esportiva” em muitas pessoas – “fulano ganhou, fulano perdeu, eu torço pra fulano”.

Triste, triste.

Muito mais triste ver a Heloísa Helena deixando a vaga no Senado pro Collor. O Collor, gente, pelo amor de Zeus.

Sejamos simples: no segundo turno a gente não vai escolher entre o Lula ou o Alckmin. Vamos escolher entre um governo de Estado Mínimo [PSDB, o que significa incentivo à iniciativa privada X redução de gastos com folha de pagamento de órgãos públicos, economia controlada com desindexação X pouca preocupação com o social] ou um governo baseado na Responsabilidade do Estado [PT, o que significa centralização dos gastos X aumento da máquina pública através de concursos, economia a um passo da instabilidade X ações sociais ].

Não é uma escolha simples, mas eu já escolhi. Este blog vota Lula. Em parte porque eu quero fazer outro concurso depois que eu me formar, hehehe, em parte porque Estado Mínimo é um conceito muito lindinho pra quem vive do lado de cima do Equador, mas com as desigualdades sociais daqui, se o Estado não se meter não acontece nada.

Eu respeitarei a opinião de quem for a favor do modo tucano de governar, e votar baseado nisso.
Mas pra quem vier me dizer que está protestando contra os absurdos ocorridos no governo Lula, eu vou perguntar assim: “Onde você morava entre 95 e 2001?”

Absurdo por absurdo, escolhamos o menos pior de acordo com nossa opinião.
E eu quero tanto que aconteça algo muito legal e muito bonito e todos os eleitores do Brasil pensem nisso, avaliem e votem PORQUE QUEREM VOTAR ASSIM, e não por motivos bobocas, tipo “ele vai ajudar o meu estado” ou “ele vai me dar dinheiro”.

[Nota: não vou muito com a cara do Lula, mas MORRO DE RAIVA quando vejo um daqueles. Aqueles que não votaram nele “porque ele ia mudar tudo”, e sentam o cacete “porque ele não mudou nada”. ]

terça-feira, 3 / outubro / 2006 at 10:25 pm Deixe um comentário


Feeds

Aspas da Semana

Quando o amor vos fizer sinal, segui-o; ainda que os seus caminhos sejam duros e escarpados. E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos; ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir. Gibran Khalil Gibran