Archive for maio, 2006

Brasília, eu vi

Cheguei em Brasília.

No aeroporto, consegui pegar um carrinho com o pneu furado.
Tenho provas fotográficas.

Meu quarto de hotel é fofinho, amarelinho.
Tenho fotos pra mostrar.

O frio é de quinze graus, mas o dia é azul e ensolarado.

Não tenho tempo para descarregar as fotos.AINDA.

Estou indo encontrá-lO agora.

Mais notícias a qualquer momento.

Anúncios

segunda-feira, 22 / maio / 2006 at 2:51 pm Deixe um comentário

Ansiosa, eu?

Daqui a algumas horas, estarei voando para Brasília.

No processo de arrumar as malas, tive uma iluminação.

Eu nao tenho roupas.

Eu não tenho sapatos.

Eu não tenho comida suficiente pra viagem.

EU SOU UMA BAGUNCEIRA!

domingo, 21 / maio / 2006 at 10:25 pm Deixe um comentário

114801456758948835

Descascando tucumã no Morango com gengibre.

[esse ficou confuso]

sexta-feira, 19 / maio / 2006 at 12:47 am Deixe um comentário

Lembranças concretas.

Poesia,
Prazer
e
Paz.

Macio.
Morno.
Meu.

Voz.
Violão.
Você.

Saudade.
Silêncio.
Sorriso.

Momentos
de um amor
bonito.

sexta-feira, 19 / maio / 2006 at 12:15 am Deixe um comentário

Uééééén

O dia foi das mães.

E quem ganhou neném fui eu.

Minha filha é LINDA e MUITO, MUITO INTELIGENTE.

Fotografa, faz vídeos, faz fotos com áudio, tem resolução de 6.0 mega-pixels, sensor para redução de tremor nas mãos e (não babem no teclado) zoom ótico de 6X.

ZOOM ÓTICO DE 6X! IIIIIIIIIRRÚÚÚÚÚÚÚÚ!

Mamãe te ama, linda.
Podem ficar tranquilos: não vou virar flogueira. Não tenho vocação…

quinta-feira, 18 / maio / 2006 at 11:37 pm Deixe um comentário

Manaus são muitas

Manaus é a ópera Gianni Schichi, montada na praça, ao ar livre. Todos os cantores, técnicos e pessoas de bastidores, amazonenses.

Manaus é a população rindo das piadas e das músicas, aplaudindo a moça que cantou uma das árias mais famosas do mundo (O mio babbino caro). Ela é amazonense como eu, e o seu nome é Kátia Freitas, e tem uma voz inacreditável.

Manaus é o forró perto da minha casa, sem a menor noção de respeito aos vizinhos, causando engarrafamento toda quinta-feira, lotado de pessoas simples que pagam cinco reais para dançarem e suarem, na tentativa de serem felizes. [E mesmo com o barulho eu torço, eu torço para que sejam completamente felizes.]

Manaus é a chuva estrondosa que começa as quatro da manhã e não para até as sete e meia.

Manaus é o vapor subindo com o sol escaldante das oito horas [do mesmo dia].

Manaus é o maior festival de ópera da América Latina.

Manaus é aniversário de criança com cachorro quente, brigadeiro…e vatapá!

Manaus sou eu assobiando uma música desconhecida…e depois lembrando que era uma toada de boi.

Manaus sou eu feliz, almoçando x-caboquinho e tomando creme de cupuaçu de sobremesa.

Manaus é chibata.

Manaus são muitas.

Manaus é minha.

Manaus sou eu.

segunda-feira, 15 / maio / 2006 at 10:44 pm Deixe um comentário

Segundo domingo de Maio

FELIZ DIA DAS MAMYS, Cláudia!

Minha mãe virtual, que lê as minhas maluquices, que me faz pular de alegria quando vejo uma chamada Não-atendida do Rio no meu celular, que escreve textos lindos e lúcidos [e não admite], que fez o meu msn ganhar outro significado, que reúne ao seu redor cerca de duas dezenas de pessoas lindas que passaram a fazer parte da minha vida…

Que adivinha o que estou pensando, que entende meus sentimentos confusos e nocivos melhor que eu, que me deu os melhores conselhos sobre os grandes problemas merrequinha que eu vivo todo dia.

Que se tornou fonte de luz para uma pequena comunidade, uma comunidade cheia de amor e BOAS VIBRAÇÕES [Para os leigos: vibrar é pedir atenção no msn…]

Que gosta das mesmas músicas que eu.
Em quem eu penso sempre que vivo momentos espetacularmente felizes.
Em quem eu PRECISO dar um abraço antes do fim do ano.

Feliz dia das Cláudias, mamy.

sábado, 13 / maio / 2006 at 10:52 pm Deixe um comentário

Posts antigos


Feeds

Aspas da Semana

Quando o amor vos fizer sinal, segui-o; ainda que os seus caminhos sejam duros e escarpados. E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos; ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir. Gibran Khalil Gibran